12.8.19

Ódio Gratuito ou Liberdade de Expressão?


Este texto pode conter gatilhos, recomendo cautela.

Esse post faz parte de uma blogagem coletiva com o tema "Movidos Pelo Ódio", por isso, no final desse texto estarão linkados todos os blogs participantes, para que vocês possam ter acesso a outras opiniões e experiências sobre o assunto, ok? Quando fiquei sabendo do tema da blogagem, me lembrei rapidamente de dois casos reais que mexeram muito comigo. Aliás, sempre que se fala em ódio na internet me lembro de Megan Meier e agora, infelizmente também me vem a mente Alinne Araújo, e a base desse post são os eventos que fizeram com que essas meninas ficassem conhecidas, por isso, recomendo cautela na leitura.


Confesso que tenho gostos peculiares por programas de Tv, me interesso principalmente pelo canal fechado Investigação Discovery, pois gosto de acompanhar investigações policiais. E numa dessas minhas paradas no canal, acabei conhecendo no programa Falsidade.com o caso de Megan Meier. Com treze anos de idade, Megan era vítima de bullying na escola e sofria de depressão e TDA (Transtorno de Déficit de Atenção), a adolescente sentia-se mal e insegura, mas uma ponta de felicidade surgiu na sua vida quando ela conheceu um amigo virtual no MySpace. Um dia esse amigo, chamado Josh Evans, se virou contra Megan, e não apenas ele, mas Josh convenceu outras pessoas a atacarem a menina e zombarem dela por meio da rede social. Megan não aguentou a pressão e se suicidou. E o mais revoltante dessa história é que Josh nunca existiu, o perfil era fake e usado por uma ex-amiga de Megan, feito apenas com o objetivo de chatea-la. Detalhe, a mãe da ex-amiga de Megan sabia e participava das enganações com o perfil fake.

O caso de Megan Meier é apenas um dos exemplos que comprovam a falta de empatia das pessoas atrás da tela do computador, é como se os dispositivos eletrônicos dessem algum tipo de poder às pessoas que se acham no direito de fazer ou falar o que quiserem na internet. Mas, é impossível saber qual será o efeito dos nossos comentários online quando eles são feitos com base em julgamentos pessoais ou discursos de ódio disfarçados de liberdade de expressão. É como o caso de Alinne Araújo, a garota também viu no suicídio uma saída fácil diante de ataques online. A brasileira tinha 24 anos, sofria de ansiedade e depressão, Alinne teve seu Instagram acometido por inúmeros comentários negativos depois que decidiu se casar sozinha, já que seu noivo havia terminado o relacionamento na véspera do casamento.

Infelizmente o ódio causa engajamento, logo depois que saíram as primeiras notícias sobre Alinne, lá estavam as pessoas se julgando novamente. Aqueles que haviam atacado Alinne passaram a ser o alvo das críticas, além do ex-noivo da garota também ter recebido mensagens negativas, ou seja, ao invés de estarem prestando condolências e seus sentimentos ao familiares da jovem, muita gente ainda resolveu que seria melhor postar sua própria opinião sobre o caso, opinião essa que não foi pedida em nenhum momento.
A mãe de Megan Meier, Tina Meier, estimulou a mudança nas leis sobre bullying digital nos EUA, além disso, ela criou uma fundação para alertar as pessoas sobre bullying e bullying digital. Eu espero que todos os casos de ódio gratuito na internet, assim como também o de Alinne, possam ser de aviso a todos que acham que a internet permite uma liberdade que a sua consciência humana não deveria permitir. E lembrem-se, há leis contra crimes digitais, incluindo bullying e preconceito.

Para ajuda e apoio emocional, ligue 188 - Centro de Valorização da Vida

Blogs que estão participando dessa blogagem coletiva:
Essa blogagem coletiva foi organizada por meio da BlogaWeb - A rede social dos blogueiros e blogueiras.
Os textos representam as opiniões de seus respectivos autores.

27 comentários:

  1. Oi, Leslie!

    Realmente, este é um assunto muito sério. Às vezes leio comentários (no Instagram, principalmente) e fico chocada. Não tem explicação para certas atitudes...

    Abraços, Cris

    ResponderExcluir
  2. Uau Leslie, que post. Eu não conhecia a história da Megan, fico incrédula quando leio histórias assim, porque não consigo acreditar que exista pessoas tão ruins a esse ponto. Estamos cada vez mais perdidos em relação a internet, da mesma forma que ela poderia fazer bem as pessoas, ela pode fazer mal, e as pessoas que nela estão tem escolhido cada vez mais a segunda opção!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  3. Leslie, tudo bom? Eu assisto muito esse canal, esse programa ainda não assisti, mas imagino que deve ter casos até piores que isso. Todos temos escolhas e algumas pessoas escolhem fazer outras sofrerem por nada, as redes sociais afastam e machucam, mais do que ajudam e unem. ótimo post.

    Visite: www.espacodamica.com

    ResponderExcluir
  4. Que post maravilhoso! O ódio gratuito está cada vez mais comum, infelizmente.
    www.achatadebatom.com

    ResponderExcluir
  5. o ódio gratuito tá cada dia maior na internet né? Fico chocada que algumas pessoas acham que tem o direito de sair ofendendo quem estiver na frente, sem ao menos conhecer a pessoa.
    Mas empatia seria melhor.
    bjs www.diadebrilho.com

    ResponderExcluir
  6. Que poste maravilhoso.
    Esse é um assunto bem sério e deve ser tratado sempre.
    Beijos.
    http://vinteedoisdemaio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi, Leslie!
    Antes de comentar o texto, preciso dizer que eu também adoro o ID haha Em casa sempre assistimos e fico chocada com alguns casos que aparecem por lá...
    Eu não conhecia a história da Megan, mas acompanhei o que aconteceu com a Aline. Não tem como não se incomodar com esses fatos, né? Sempre fico indignada em como as pessoas são rápidas para julgar os outros, principalmente na internet. É como se não existisse nenhuma consequência.
    Adorei a temática do texto, porque é super importante falar sobre isso.
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
  8. Eu lembro vagamente do caso da MEgan, este recente, mostra mais uma vez como o julgamento das pessoas pode ser cruel. Apesar de ser um tema pesado, tem que ser discutido, para que as pessoas saibam o mal que estes ataques causam.

    ResponderExcluir
  9. Oi Leslie.
    Normalmente as pessoas são movidas por ódio gratuito. Eu acompanhei a Alinne Araújo depois do que aconteceu e me lembro até das palavras do Whindersson Nunes: as pessoas passaram a julgar quem ela julgou. Parece um ciclo infinito de ódio gratuito que nunca tem um fim e ninguém nunca sabe o começo.
    Partilho do sentimento que existem coisas que podemos criticar: como escolhas de produtoras, escolhas de músicas e escolhas de presidentes.
    Mas acho que a maioria das pessoas não entende o limite entre a crítica e a ofensa. Como blogueira, sempre crítico sem denegrir. Mas como ser humano, não consigo ver as pessoas fazendo o mesmo. Acho estranho como a internet que deveria trazer proximidade e similaridade têm trazido apenas dor as pessoas. Opiniões são logos rechaçadas, pessoas são ofendidas e aquilo que é nosso se torna público à ponto de virar meme.
    Sinto raiva as vezes.
    Mas espero nunca ofender ninguém.
    Beijos.
    Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
  10. Ótimo post, infelizmente a internet virou terra sem lei onde as pessoas tem prazer de destilar seu ódio a quem nem nunca vi.

    Beijos
    https://www.pimentadeacucar.com

    ResponderExcluir
  11. Ótima postagem! Eu desde sempre pensei muito sobre essas questões e acho muito desnecessário destilar ódio por aí. Aprendi com a vida que se você tem uma opinião sobre alguém e essa opinião é negativa e vai fazer a pessoa se sentir mal, guarde pra você. Não acho que as pessoas merecem ódio gratuito. Já recebi comentários ofensivos de um fake uma vez e é tenso, sem contar que quando fazia vídeos as pessoas destilavam ódio (hoje bloqueei os comentários em todos os vídeos). Por mais que as pessoas falem que não se incomodam com os comentários ofensivos, a gente se incomoda sim, porque não é legal. E em um dia meio bosta a coisa pode tomar uma proporção bem grande.

    https://www.biigthais.com/

    Beijoos ;*

    ResponderExcluir
  12. pois é, é bem complicado lidar!
    o pessoal acha que pode falar o que quiser só pq tá na net!
    espero que as punições fiquem mais severas!

    xoxo
    Guria do Século Passado

    ResponderExcluir
  13. Eu não conhecia o caso da Megan, mas mostra o quando o julgamento pode afetar as pessoas.
    Quando soube do caso da Alinne fiquei bem triste e nunca entendi o motivo de tanto ódio. Mesmo depois de tudo que aconteceu ainda tem gente que faz comentários ofensivos no instagram dela. É muito ódio por nada.
    Bjus!

    galerafashion.com

    ResponderExcluir
  14. Não conhecia a história da Megan e acho muito triste o fato dela ter cometido o suicídio. Noto que hoje em dia as pessoas estão cada vez mais intolerantes nas redes sociais: principalmente no facebook e twitter. Essas redes você não pode emitir opinião que sempre tem gente querendo revidar.
    big beijos
    www.luluonthesky.com

    ResponderExcluir
  15. Oi! Nossa, eu não conhecia o caso dessa garota, mas é um problema tão comum :(. Tem um filme que trata sobre isso também, se chama A Sala do Suicídio (e é muito pesado).

    Infelizmente jovens podem ser muito cruéis, ainda mais com o filtro da internet. Fico feliz que você tenha participado da blogagem

    Beijos! ❤

    🌗 Relatos de um Garoto de Outro Planeta


    ResponderExcluir
  16. mt boa sua postagem e realmente parece que a Internet é a terra de ninguem, como vc nao precisa se mostrar parece que sua identidade fica encoberta e vc "pode tudo", é mesmo um absurdo que essas pessoas que acham que podem tudo consigam conviver com a própria consciência

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  17. Que post pesado, mas muito importante!!
    As histórias dessas duas jovens é muitooo triste :(
    E faz a gente perceber que as pessoas não se importam em nada umas com as outras...
    É muito fácil julgar pela internet né? Dar opiniões sem sentido e etc. Foda!
    Mas pelo post Leslie, essas coisas tem que ser compartilhadas.

    https://www.heyimwiththeband.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Infelizmente as pessoas pensam que fazer bullying pela internet é uma forma de permanecerem invisíveis enquanto destilam o veneno para com as outras pessoas.
    É muito triste ver pessoas incríveis sendo diminuídas por gente de conteúdo vazio. Fiquei tão triste ao saber do caso da Aline, com toda uma vida pela frente.
    Gostei muito da iniciativa do post, é mais do que necessário falar sobre o bullying nos dias de hoje.

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
  19. Posts como esse são essenciais. preconceito e bullying são coisas que não deveriam existir mas, sabemos que a cada dia que passa há mais disso e em muitos casos sem impunidade. Gostei dos exemplos que citou são casos complicados e que se poderiam ter sido evitados. também temos que ter muito cuidado ao utilizar as redes sociais, nem todo mundo é o que parece e muitas vezes acabamos dando muita importância a algum comentário maldoso e nem sabemos quem de fato está atrás da tela do aparelho eletrônico.
    Por mais posts assim.
    Beijocas.


    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Oi, Leslie!
    Eu lembro desse caso e é bem triste.
    Hoje em dia as pessoas confundem muito liberdade de expressão com discurso de ódio. Há uma linha bem tênue mas muitos fingem não saber
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  21. Vei, eu não conhecia nenhuma das duas histórias, fui procurar mais sobre no google e tem uma versão que diz que na verdade Josh não existia mas era um adulto de 47 anos que morava no bairro dela, algo assim, e quanto a mina que casou sozinha, meu deus que sofrimento que ela passou até deixar a vida :( em pensar que as pessoas que fazem isso estão totalmente foda-se quanto aos sentimentos de qualquer pessoa, muito pesado.

    talodemaca.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Um assuntos serio que quase não vemos ser retratado. O ódio gratuito virou febre, as pessoas não percebem o quão podem machucar e trazer sérios problemas na vida das pessoas, até a morte.
    Beijos, ❤️
    www.lewestinblog.com

    ResponderExcluir
  23. Oi Leslie, tudo bem?
    Isso é tão triste e infelizmente é algo que parece que não diminui com o passar do tempo. E uma coisa simples que falta nos dias de hoje é empatia e respeito. Todo mundo se acha no direito de expressar sua opinião, e ainda pensam que o outro dever respeitá-la e acatá-la como se a sua opinião fosse a certa e a mais importante. Mas o pior de tudo é a agressão disfarçada de opinião. Sinceramente não sei até que ponto chegaremos, mas espero que as leis mais rígidas e punições bem aplicadas possam pelo menos inibir um pouco esse tipo de atitude.
    Abraços,
    Ava
    https://apenasava.com/

    ResponderExcluir
  24. Oi Leslie!
    Muito importante sua reflexão. Realmente as pessoas acham que suas opiniões tem q ser vistas, ouvidas e valorizadas principalmente quando não foram pedidas. A internet está cheia dessas atitudes em várias áreas. Devemos ficar alertas para combater esse ódio que sempre está sendo arma de vários tipos de pessoas, inclusive as que são influenciadas sem nem raciocinar o que estão fazendo e no que suas atitudes podem acarretar.
    Bjos
    http://www.kelenvasconcelos.com.br/

    ResponderExcluir
  25. Oi, Leslie!
    Não conhecia o caso da Megan Meier e confesso que fiquei bastante chocada, ainda mais por se tratarem de crianças (e como assim a mãe da ex-amiga da menina sabia de tudo e ainda apoiava? MISERICÓRDIA! O.O)
    Isso só me faz temer pelo futuro, porque se já está em um nível tão horrível de mães apoiarem as filhas em atos tão hediondos, o que será das gerações futuras? Com a tecnologia se desenvolvendo e se expandindo mais a cada dia, fico pensando se, no futuro, coisas como o cyberbullying não vão ser "fichinha" perto do que pode acontecer.
    As pessoas precisam aprender (e praticar!) mais sobre empatia e respeito ao próximo \:

    www.inconstantecontroversia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  26. Sempre fico reflexiva quando leio esse tipo de notícia, principalmente porque faço parte desse meio e sempre fico na dúvida se um dia receber hate, qual seria meu sentimento e o que faria a respeito (no sentido de bloquear a pessoa ou todas em geral) e isso é muito aflitivo, já que a maioria dos comentários odiosos são feitos com base num senso próprio e muito egoísta. Acredito que antes de comentar qualquer coisa é preciso pensar: e se fosse comigo, e se fosse com alguém que eu amo, eu iria gostar? Ou ainda: isso é realmente da minha conta? Eu preciso comentar isso? - Se todos refletissem dessa forma tenho certeza que a maioria dos casos diminuiria.

    Blog Vinte Primaveras

    ResponderExcluir
  27. Sabe aquelas coisas que a gente lê e dá um aperto no coração? Foi o que esse post fez comigo. É muito triste como as pessoas acreditam que podem dizer o que quiserem através de uma tela, que não terá consequências. Não sou perfeita, estou bem longe disso, mas sempre tento usar as minhas palavras para incentivar as pessoas, demonstrar amor. Nossa palavra tem muito poder sobre a vida dos outros para sermos tão descuidados assim no uso delas.
    Um beijo

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir

➤ Comentários rasos e sem sentido não serão respondidos e retribuídos.
➤ Se você NÃO leu o post ou o assunto NÃO te interessa, NÃO COMENTA!
➤ A você que leu o post e vai fazer um comentário pertinente ao assunto, meu muito obrigada.
O mais breve possível passarei em seu blog para retribuir o carinho.



Feito com ♥ por Lariz Santana