maio 16, 2017

Festival do Mini Wedding

Maio é considerado oficialmente o mês das noivas, e como casamento é um tema abordado com muito amor e sinceridade nesse blog, eu não poderia deixar de trazer a vocês as novidades que encontrei ontem no coquetel de abertura do Festival do Mini Wedding, promovido pela Decore & Comemore, uma loja curitibana totalmente voltada para ajudar o cliente no desenvolvimento de suas festas. Mas não se preocupem, logo falarei mais sobre a Decore & Comemore, por que antes, acho importante sabermos o que é um mini wedding.


Quando alguém decide se casar e começa a planejar uma festa, a primeira coisa necessária a se fazer, e creio também que seja a mais difícil, é montar a lista de convidados, e o mini wedding traz a proposta de reduzir essa lista, a ideia é fazer uma bela recepção, porém, com poucas pessoas. Sinceramente, acho que os mini weddings passam uma enorme sensação de aconchego, por que ele pode ser idealizado em ambientes menores e familiares, como pequenos restaurantes, no espaço aberto que envolve a natureza de um sítio ou chácara, no salão de festas do seu condomínio ou ainda, na sua sala de estar. Porém, não é por que se trata de um casamento pequeno que isso seja sinônimo de desleixo, ao contrário, mesmo que simples, a recepção do casamento pode ser de muito bom gosto, e é isso o que a Decore & Comemore com seus parceiros fornecedores de casamentos nos apresenta no Festival do Mini Wedding. A loja, que conta com uma designer exclusiva (por que nós amamos criatividade e originalidade ), montou pequenas decorações no seu espaço de vendas, para que pudemos ter noção de que sim, é possível, como proposto no festival, montar um lindo casamento com "poucos convidados, [e] muito estilo".

Neste post vou mostrar apenas algumas das ideias apresentadas ontem no coquetel de abertura do festival, afinal, quero aguçar em vocês o gostinho de "quero mais", para que possam ir lá prestigiar o evento e babar depois de ver tanta coisa maravilinda, eu mesma fiquei com vontade de casar de novo (com a mesma pessoa, claro).

Veja Também 8 Coisas que Aprendi Depois de Casar.

Logo que entrei na loja, me deparei com uma decoração de casamento estilo Boho. O diferencial foi o uso de vasinhos de cactos em porcelana para adornar a mesa. A maioria das decorações de casamentos envolvem flores, muitas aliás, mas ali haviam cactos, e mesmo sendo plantas que representam aspereza por terem espinhos, as cores rosa, verde e marfim em tons pastéis deu todo um ar romântico ao ambiente. Também acho importante comentar sobre estes filtros dos sonhos tão delicados. Sem dúvida seria um lindo casamento ao ar livre.


Outra decoração que também me surpreendeu por causa do diferencial com relação a flores, foi a ideia do casamento clássico, porém, cheio de estilo com o uso de suculentas para enfeitar a ocasião. As cores branco e verde se completaram. A Decore & Comemore é uma loja adepta ao DIY e eles oferecem desde a papelaria simples até itens para scrapbook, ou seja, tags, caixinhas decorativas, selos e outros itens podem ser montados pelos próprios noivos afim de compor a decoração do casamento, então todos esses detalhes em papel nos objetos, são totalmente possíveis em uma recepção real. Além disso, a loja conta com profissionais bem capacitados que fazem uma consultoria na hora de decorar a sua festa, te ajudando até mesmo a usar as coisas que você já tem em casa para adornar o espaço, afim de que você possa montar tudo como havia imaginado.


Também, preciso compartilhar com vocês essa mesa maravilhosa feita a luz de velas e que ficaria linda para casamentos celebrados após o por do sol. Dessa vez temos flores e toda a decoração foi feita tendo em mente a cor marsala. A mesa em madeira e a base do bolo feita puramente com tronco de árvore em conjunto com as velas, flores e os tons em dourado deram à decoração uma apresentação rústica, porém requintada. Os docinhos dessa mesa eram de total finesa e deliciosos, feitos pela Toda Doce e o bolo era um lindo Naked Cake, da Bendita Boleria.


Muitos noivos ainda optam pelo bolo de verdade no casamento, mas o que muitas pessoas não sabem é que existe o chamado bolo fake, sim, ele é mesmo de mentira, feito apenas para adornar a mesa de doces e tirar fotos, e eu só soube disso quando fui organizar meu casamento, haha. As instalações da Decore & Comemore ontem, nos trouxe as duas opções, ou seja, é os noivos quem escolhem que tipo de bolo querem na sua festa, fake ou não, mesmo em um casamento pequeno, o bolo é parte importante da recepção do casamento e felizmente temos aí uma variedade de sabores e decorações para ele.

O Festival nos concede não apenas ideias para a decoração do casamento, mas também nos dá a oportunidade de conhecer ótimos fornecedores, como a Jardim Secreto Decor que fez toda a produção cenográfica e a arte floral, os vestidos de noiva apresentados são da Mime Vai Casar, um atelier solo, com uma costureira e muito carinho. Também haviam lindas fotos de casamentos espalhadas pelo espaço, todas de autoria da Além Fotografia. E não saímos de lá de mãos vazias, de lembrancinhas, bem-casados e bolachões decorados pela My Cookie.

Veja Também Como Economizar no Seu Casamento.

Além disso, não posso deixar de dizer em como eu achei completíssima a Decore & Comemore, uma loja linda e bem organizada, cheia de ideias para compra assim como um enorme acervo de itens para locação, objetos de qualidade e garimpados, coisinhas que a gente não encontra em qualquer lugar. Chá de Panela, de Bar, de Lingerie, festinha casual, infantil, para casamentos, tudo o que é necessário para fazer a decoração destes eventos estão na Decore & Comemore. Faço Jabá mesmo por que merece.

Fiquei muito agradecida por ter sido convidada para esse coquetel, tudo de muito bom gosto e percebe-se a responsabilidade profissional envolvida na proposta do evento aos clientes. Se você é de Curitiba, não se preocupe, o Festival do Mini Wedding acontece até o dia 25 de Maio das 9h ás 18h. Porém, se você mora longe e não vai poder visitar as instalações do evento e conhece-lo mais de perto, siga a Decore & Comemore nas redes sociais e fique sempre por dentro das dicas e inspirações que eles liberam por lá, além disso, a loja tem um e-commerce e entrega no conforto do seu lar.

Espero que tenham gostado, fico sempre entusiasmada quando se fala em casamentos, haha. Beijos de Leite.
Me acompanhe nas redes:

maio 13, 2017

O que Rolou na 6ª Edição do Feito em Curitiba

Ontem eu fui em um evento muito amô realizado pelas lojas Curitibanas Adoro Saias e Sapatilha Colorida. A 6ª Edição do Feito em Curitiba reuniu vários artistas e produtores independentes em um só lugar para que pudêssemos conhecer seus trabalhos, e claro, eu tirei muitas fotinhas, por que preciso compartilhar com vocês toda a criatividade que encontrei no evento. Preparem-se para uma overdose de originalidade.

Logo que entrei no lugar, de cara já me deparei com essa luminária maravilhosa da Studio Creme. Nesse momento ela estava acesa, porém, quando desligada, a rosa no centro da lâmpada perde a cor e fica preta, ou seja, ligada ou desligada, a luminária fica linda na composição de qualquer decoração. Sortudo quem a comprou, ela era a última. Infelizmente não consegui tirar mais fotos do stand, mas gente... é um produto mais lindo que o outro, tudo feito a mão, pecinha por pecinha, sem dúvida, um trabalho artístico e feito com carinho.

Logo depois fui parar no stand cheio de conceito da Crânios Cabeludos, lá eu conversei diretamente com a designer Ana Carolina Penso, e ela me explicou toda a ideia da marca. Eu e meu marido (por que cêis sabem que ele também ama autenticidade e é meu companheiro para TODAS as horas) ficamos impressionados com a originalidade. A Crânios Cabeludos trabalha com um material muito bruto, a argamassa de cimento, aquele produto que tem como base o chão da sua casa mesmo, porém, as peças tem total leveza. É um paradoxo feito com bom humor, afinal, já imaginou um crânio bruto com cabelos? A Ana Carolina conseguiu imaginar e fez cabelos vivos, com plantas. Sabe quando vamos ao museu com um amigo e observando a mesma obra, conseguimos tirar conclusões diferentes sobre a arte? É o que acontece quando paramos para observar os crânios da marca. Os objetos passam a ter personalidade. São cabeças que desenvolvem cabelos com formas que dependem da planta que foi colocado nela. A Ana mesmo escolhe com cuidado cada uma das plantinhas que complementam a obra em argamassa. Além disso, a Crânios Cabeludos tem luminárias, acessórios e vasos em caixa que podem ser trabalhados com diferentes composições. Virei fã!

Outro trabalho lindo que pude conhecer no evento é o da ilustradora Larissa Kusunoki. Aliás, acho válido dizer que ela já fez uma bela parceria com a Crânios Cabeludos, por tatuar alguns crânios com a sua arte. Literalmente, a Larissa desenha Minimundos e compartilha com a gente por meio de quadros ilustrados, marca páginas e bandeirinhas feitas à mão. Então, só para, respira e admira, haha.

E pra você que acha que crochê e tricô é coisa de véio, está muito errado. Quero apresentar a vocês a nova parceira aqui do blog, a Folk Design. A marca, utiliza o chochê para criar cestos que podem ser usados das mais diversas formas na decoração da sua casa. No evento, a Gabriela trouxe uma opção de presente muito amorzinho, um cesto com uma manta, biscoitinhos e uma essência perfumada dentro. Ótima opção de presente! A Folk tem produtos a pronta entrega mas também aceita encomendas. Logo logo vou trazer mais informações pra vocês.

Também parceira do blog, a Joie  traz um mundo lindo e lúdico para a nossa gaveta de acessórios, com um jardim de pompons, orelhinhas de raposas e chifres de unicórnios, a Isis faz tudo a mão. São acessórios adultos e infantis. Futuramente trarei mais informações sobre essa marca tão imaginativa.

Já pensou em ter uma refeição completa vindo de dentro de um pote? Essa é a ideia da marca O que Tem no Pote? Todos os ingredientes vem separados em camadas dentro de potes, para o cliente basta mistura-los e se deliciar, é algo muito prático e rápido. Entre outros, a marca oferece um mix para o preparo de bolos, cookies, brownies, temperos, chocolate quente e cappuccino, esse que até então quando visitei o stand havia acabado, por que vamos combinar, fazer cappuccino em casa é um tanto quanto complicado, mas se já vem todos os ingredientes em apenas um lugar e nosso trabalho é só a preparação, a coisa fica bem mais fácil. E confesso, é de ficar com água na boca.

E por falar em comida, dentro do evento havia algumas opções para a nossa fome dentro de foods trucks, como a Tapímóvel e a Apples of Grace que veio com uma bike de coleção, trazendo maçãs verdes banhadas em doces e chocolates. Além disso, pude conhecer a Inku Geek Cake, que faz bolos e doces não apenas deliciosos, mas também mega criativos e cheio de personalidade.
Não basta ser gostoso, tem que ser lindo.
O Feito em Curitiba ainda reuniu muitas outras marcas autênticas como os acessórios lindos e cheios de conceito da Memma, onde cada peça vem com um poema. Também estavam presentes a Docg e a Cãolinarista com produtos para nossos pets. A Carmine Orinal Crafts e suas tábuas feitas a mão com cuidado e delicadeza. A Piola Peripolli que produz roupas para pessoas altas e a Artsy Letters que trouxe a arte em papel, lindos Journals sem datas definidas, ótima opção pra quem ama o método do Bullet Journal mas não tem paciência para criar o seu.

Queria muito colocar neste post todas as fotos e informações riquíssimas que eu consegui no evento, mas eu preciso deixar vocês com um gostinho de "quero mais", além disso, não caberia tudo em apenas um texto. Apoio muito este tipo de evento por que por meio dele temos maiores oportunidades de consumir o que é feito aqui, no nosso país e cidade. Sei que, como eu, vocês amam as coisinhas que vem da China, mas é sempre importante a gente incentivar os artistas locais também, são empreendedores cheios de ideias e talento, que merecem ser reconhecidos.

Se você é de Curitiba, saiba que o evento ainda está acontecendo hoje (13/05) até as 19h, na Rua Barão de Guaraúna,374 - Juvevê. Corre lá e vai conferir a criatividade alheia, haha.

Me acompanhe nas redes:

maio 12, 2017

Uma Breve Análise Sobre o Filme O Sorriso de Monalisa

Mas vai falar sobre filmes de novo?! Vou, por que eu preciso compartilhar do sentimento que me tombou logo depois de assistir a esse filme. Além disso, quero aproveitar enquanto as ideias ainda estão frescas na cabeça.
O filme O Sorriso de Monalisa tem como protagonista a professora de história da arte Katherine Watson (Julia Roberts) que passa a lecionar em uma escola feminina que preza pelo conservadorismo. Na verdade a tradição é tão aplicada ás alunas que elas tem aulas de postura, como cruzar e descruzar as pernas e como agir em possíveis situações familiares. Porém, Katherine não se encaixa nesse método de aulas aplicado pela escola.

Assista ao trailer aqui.
"Podem conformar-se com o que os outros esperam de vocês... ou ser vocês mesmas."
Esse filme é um exemplo muito usado quando se fala em feminismo, mas quero deixar bem claro que não vou entrar nesse assunto, o que eu quero analisar aqui é sobre como o filme traz a reflexão de que você pode ser o que quiser. O que vemos em O Sorriso de Monalisa, não são meninas evitando o que lhes já foi destinado, mas sim, aceitando levar a vida por aquela trilha que a sociedade e a família já preparou para ela. E não é um martírio, não são obrigadas, esse é o sonho delas, ser bela, recatada e do lar. Claro, é bom ratificar aqui, que estamos falando sobre mulheres brancas e de classe média alta.


Mas por que as alunas da professora Katherine pensavam dessa forma? Aí vem a beleza da coisa. Você já estudou as características das gerações? Pois bem, nossa sociedade muda, disso todo mundo sabe, e antes de surgir essa geração de jovens super antenados e liberais que vivem atualmente (e você pode ser um deles sem problemas) uma galera da geração Silenciosa viveu durante a Baby Boomer, essa geração a qual nasceu durante o período em que o filme se passa. Depois da Segunda Guerra Mundial, as pessoas sonhavam em ter uma vida estabilizada. As mulheres desejavam ter os maridos em casa, queriam uma bela casa, arrumada e bonita para receber convidados, queriam cuidar dos filhos e do marido, já estes levavam a sério oportunidades de trabalho. Então, sob o nosso olhar "moderno" seria ridículo criticar as moças que viveram no começo dos anos 1950.

Veja aqui um vídeo sobre as características da nossa atual geração.

A geração Silenciosa era por si só tradicional. Por isso, é natural que a escola retratada no filme tivesse tão preocupada em formar esposas e não profissionais, e como eu disse anteriormente, as alunas não fugiam disso. Mas aí chega Katherine, a professora solteira de 30 anos, formada e pós graduada, seu propósito é ver as suas alunas na faculdade, cursando qualquer coisa que não envolva uma vassoura ou um ferro de passar. Mas vamos aos fatos, o filme mostra a vida romântica de Katherine, ela não parece estar feliz sozinha, mas também não parece estar triste ou conformada. Ela está bem assim, mas para a década de 1950 era ultraje uma mulher na idade dela ficar só. Durante a trama ela encontra alguns amores perdidos, mas nenhum a convence. Ou seja, não há nada de errado em ser solteira, ser independente e auto suficiente. Porém, bem ao contrário dela, vemos Betty, a aluna extremamente conservadora, que foi criada para ser mãe e esposa, e esse é o sonho dela, vemos felicidade em seu rosto quando ela mostra para a amiga seu conjunto de máquinas de lavar em casa. Meu Deus, que sonho dos anos 1950! Ela quer isso, quer ser mãe e esposa, uma moça do lar. E é Betty quem pisa nos calos da Katherine.
Katherine: "Desde o seu casamento, você perdeu seis aulas, um trabalho e uma avaliação."
Betty: "Eu estava na lua de mel e ainda tinha que cuidar da casa, o que [você] esperava?"
Katherine: "Frequência."
~não vou colocar o resto do diálogo por que o barraco é bom e vocês precisam assistir.~
Temos outras alunas com seus problemas existenciais e a conhecemos melhor durante o filme, mas Joan é o ponto-chave! Na ficha escolar de Joan é colocado que ela pretende cursar direito, mas ela nem chegou a pensar nessa possibilidade, foi uma pretensão inexistente na verdade, por que ao sair da escola ela deseja se casar.
Katherine: "Diz aqui que quer fazer direito!"
Joan: "Depois que me formar, pretendo me casar."
Katherine: "E depois?"
Joan: "Depois, estarei casada."
<SPOILER DO BEM> Katherine fica indignada e decide ajudar Joan, propondo a ela que se inscreva em uma universidade. Na época, apenas cinco alunas mulheres poderiam ser aceitas na faculdade. Joan segue o conselho da professora. Aí assistindo ao filme pensamos "pelo menos uma aluna resolveu experimentar um caminho diferente", mas, Joan quer mesmo seguir carreira de mãe e esposa. Katherine repete várias vezes a Joan que ela pode fazer os dois, pode ser esposa e cursar direito, mas Joan diz uma bela verdade a Katherine "eu escolhi isso!". E tá dado o tapa na cara ~não literalmente~. </SPOILER DO BEM> Joan é a personagem que mostra que escolher ser casada e seguir a vida do lar, também não tem nada de errado. Na sua conversa com Katherine, conseguimos perceber, que em algum momento do filme a professora passou a desprezar as moças que decidem se casar.


Então qual é a lição? Se casar ou não. Cursar uma faculdade ou não e o que cursar, deve ser uma escolha exclusivamente sua. E nenhuma opção deve ser rebaixada! Você pode ser do lar, sem menosprezar as solteiras. Assim como você pode ser solteira, sem rotular as casadas. Sabe qual o nome disso? Respeito.
"Sei exatamente o que estou fazendo e isso não faz de mim menos inteligente. (...) Pra você uma dona de casa é alguém que vendeu a alma por uma elegante casa colonial. Ela não tem conteúdo, nem intelecto e muito menos interesses." - Joan para Katherine
O filme ainda traz ótimas reflexões, como a autoestima feminina. Além disso, Betty, a personagem conservadora que comentei anteriormente, acaba por nos surpreender no final do filme, ela nos ensina que é necessário se ter um conceito correto sobre o casamento, que não basta apenas se casar e achar que tudo vai dar certo, matrimônio não é garantia de felicidade. É Betty que nos questiona sobre o sorriso de Monalisa, será que Gioconda estava mesmo feliz ou apenas representando quando seu sorriso quase imperceptível foi conservado na pintura de Da Vinci?


Também, não posso deixar de dizer em como eu amei todas as questões em relação a arte que a professora Katherine traz ás suas alunas, ela contempla uma nova visão sobre o que é arte e porquê.
"O que é arte? O que faz dela boa ou ruim e quem decide?" - Katherine
Enfim, o filme se torna lindo não por ser romântico, mas por nos fazer pensar. Por levantar questionamentos sobre nossas escolhas e em como encaramos as escolhas dos outros. Espero que tenham gostado dessa análise que tem a palavra breve no título apenas para te alertar que ainda podemos extrair muitos outras interpretações desse filme, por que eu sei que o post ficou grande, mas acredito que não dá pra resumir conteúdo quando a pretensão é compartilhar ele de forma completa. Use e abuse do espaço de comentários para me contar se eu consegui aguçar um pouquinho da sua curiosidade com o filme, ou se você já o assistiu, o que achou de O Sorriso de Monalisa? Beijos de Leite.
Me acompanhe nas redes:
© Apenas Leite e Pimenta - 2013 - 2017. Todos os direitos reservados.
Criado por: Leslie Leite.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo