29.1.18

Como Eu Descobri Que Sou Ondulada

No fim do ano passado a Muriel Cosméticos lançou a linha Umidiliz Onduladas, que é especifica para cabelos com ondulações nos fios. E claro, como ondulada, eu fiquei ansiosa para testar os quatro produtos que constituem a linha, shampoo, condicionador, máscara e ativador de ondas. Procurei arduamente os produtos da Umidiliz Onduladas nas lojas e farmácias curitibanas, mas não encontrei, ainda não tinha chegado aqui. Foi aí que, sabe se lá como, eu ganhei um sorteio no Instagram da marca e em Dezembro a linha chegou bonitinha aqui em casa. Eu resolvi não fazer resenha, por que tem uma infinidade de pessoas contando suas experiências com o Umidiliz Onduladas na internet. Eu queria trazer um conteúdo diferente, por isso, hoje eu vou contar pra vocês, a história do meu cabelo até aqui.

Eu sempre tive uma relação ruim com o meu cabelo, por que até um ano atrás mais ou menos, minha definição para ele era "sem definição". Afinal, pra mim era muito fácil olhar para o cabelo da minha irmã por exemplo, e enxerga-lo como cacheado, porém, quando me olhava no espelho, eu não conseguia entender o emaranhado de fios que vivia na minha cabeça. Minha mãe sempre dizia que eu era lisa, que meu cabelo era "bom", ainda bem que atualmente pouco se faz essa divisão entre cabelo bom e ruim na sociedade, o empoderamento tem substituído esse pensamento errôneo. Não era culpa da minha mãe, mas era algo bem arraigado na mente das pessoas. Senso comum.

Entre os meus três e seis anos de idade, minha mãe definia cachos no meu cabelo, era um dom independente, até hoje eu só vi ela desenvolvendo cachos com uma escova e creme para pentear.

Eu sou a criança de vestido vermelho com cachinhos. Quantas curtidas essa princesa merece?
Mas, depois que entrei para a escola, eu precisava de um penteado rápido e versátil, deixei de usar cachos, aprendi a fazer tranças e eu mesma arrumava minha madeixa. Daí em diante, eu passei a crer que meu cabelo era liso, porém, extremamente volumoso, e para controlar o volume nada melhor do que tranças! Eu estava sempre com o cabelo amarrado e/ou com tranças.

Chora nesse volume de cabelo. Do outro lado... eu sendo linda com minhas tranças.
Quando eu tinha dez anos fiz um book fotográfico, me lembro que me levaram a um camarim para que eu pudesse me arrumar antes de tirar as fotos, e ali eu tive o meu primeiro contato com uma prancha de cabelo. Eu achei aquela máquina incrível, bastava passar nas mexas do cabelo e ele saia murcho. Percebe-se que meu desapontamento nunca foi a definição em si, liso, cacheado, bagunçado... pra mim o importante mesmo era um dia poder me livrar do volume, e eu achava que conseguiria isso quando meu cabelo ficasse bem longo, dessa forma ele pesaria e ficaria menos armado.

A primeira vez que meu cabelo foi pranchado.
Depois de alguns anos o uso da chapinha se tornou tão popular que minha mãe me deu uma de presente. Meu cabelo cresceu, ficou num comprimento longo, mas ainda volumoso, por isso, lá estava eu, sendo escrava das tranças, da escova e da prancha. A partir daí, eu fazia escova e chapinha praticamente toda semana. Quando enjoava, eu enrolava várias mexas do meu cabelo com grampos, dormia e tirava-os de manhã, era o meu jeito de definir cachos, dava super certo, mas quebrava muito o cabelo (como se a prancha já não fizesse isso). Depois de um tempo eu passei a usar BabyLiss. De forma alguma eu poderia deixar meu cabelo ao natural, por que lembrando, além de ser armado, ele  também era sem definição.

Cabelo sempre escovado e pranchado (sim, eu fui loira).
Quando molhado ou úmido, eu achava meu cabelo maravilhoso, ele tinha umas ondas lindas, mas aí secava e ficava com o aspecto de cabelo seco e mau cuidado. E esse era o problema, ele era mau cuidado, por que eu não sabia como cuidar. Eu nunca fiz nenhum processo químico para alisar ou definir o cabelo, como uma progressiva por exemplo, mas, em 2015 começou a minha transição, não só capilar, mas de conceito. Nesse ano eu decidi largar um pouco a chapinha, usei muito mais meu cabelo ao natural, comecei a entender que talvez o volume que eu tanto odiava e achava descomunal, na verdade era bem razoável e podia ser aceito. Compreendi meu cabelo como cacheado, mas, ainda estava difícil obter definição.

Acima meu cabelo úmido. Abaixo, quando eu passei a usa-lo de forma natural.
Em 2017, comprei um pote de 500g de um ativador de cachos achando que era máscara de hidratação. Há males que vem pra bem. Sabe essa coisa de amassar os fios do cabelo e fazer fitagem? Eu nunca tinha experimentado. Então, já que eu tinha 500g de um produto que não seria mais possível trocar, eu resolvi usar o ativador de cachos fazendo uma finalização no cabelo. Gente, quando ficou pronto, meu cabelo sorriu, eu me olhei no espelho e me reconheci. Foi um tiro! Eu não sabia que meu cabelo era daquele jeito, lindo e definido, sem escova, sem trança, sem prancha.

Depois desse dia eu arrumava meu cabelo com uma sensação de liberdade, passei a cuidar muito mais dele. Porém, com tantos produtos no mercado, como saber qual é o melhor para o meu tipo de cabelo? Comecei a pesquisar e descobri que existe uma classificação de textura que começa do 1A, que são cabelos lisos, e vai até o 4C que são cabelos crespos e com cachos bem fechados. Ao natural, os fios do meu cabelo tem a forma 2A, mas, depois de definido, ele entra na classificação 2C. Pronto. Descobri que sou ondulada. Eu sempre fui ondulada, eu só não sabia disso.


Hoje eu procuro muita informação sobre meu tipo de cabelo e como mante-lo saudável. Eu tenho usado a linha Umidiliz Onduladas e venho gostando do resultado, como disse anteriormente, não pretendo fazer resenha, mas em resumo, a linha realmente cumpre o que promete, o ativador de ondas define muito bem sem pesar, o shampoo é Few Poo, o que significa que ele tem pouco detergente, mas limpa o cabelo e faz espuma na medida certa, a máscara é ótima e junto com o condicionador, o cabelo fica desmaiado de tanta maciez. O Umidiliz Onduladas tem Amido de arroz, ácidos éticos, óleo de rícino, vitaminas e alguns ingredientes da sua formulação que lembra o Alisena, como o D-Pantenol e um composto de aminoácidos, bem como, a linha não tem tioglicolato, formol, parabenos e sal. Eu expliquei sobre boa parte desses elementos na resenha do Alisena.


Pra terminar, vou deixar aqui meu vídeo de participação no concurso Embaixadora Muriel. Nele eu apresento a linha Umidiliz Onduladas de uma forma dinâmica e mostro rapidamente a finalização que eu costumo fazer. Espero que seja informativo e que vocês se divirtam tanto quanto eu enquanto trabalhei nesse vídeo. Conheçam meu talento como atriz (só que não).


Não esquece de se inscrever no canal pra dar aquela moral.


Desculpem o post gigante, mas já faz algum tempo que eu queria compartilhar com vocês a história do meu cabelo e não tem como resumir, eu me empolgo quando percebo que hoje eu tenho a liberdade de ser quem eu sou. Abusem da área dos comentários, vamos conversar, quero responder todo mundo! Eu fico por aqui, beijos de Leite e até o próximo post.

#EmbaixadoraMuriel #EmbaixadoraUmidilizOnduladas #UmidilizOnduladas #NovaMuriel

Nenhum comentário:

Postar um comentário



Feito com ♥ por Lariz Santana