11.10.18

A História da Lia


BLOGTOBER [23] -  Post #9
A Lia sempre faz sucesso aparecendo nos stories do Instagram como minha companheira fiel, teimosa e sonsa, mas fiel. Porém, por trás dessa carinha fofa, poucos sabe o que ela já sofreu. Percebi que eu nunca havia contado a jornada dela pra vocês. E acho interessante expor essa história, por que a Lia me ensinou o que é ser forte.

A doze anos atrás meu pai apareceu em casa com a Lia, a bichinha parecia cachorra de patricinha rica, peludinha e com lacinhos na orelha. Meu pai explicou que ela estava perdida em um cruzamento, tentando se desvencilhar de carros que passavam em alta velocidade. Então, ele ficou com dó e a trouxe para casa na moto dele. Até hoje não sei como ele fez para segurar a Lia e pilotar a moto ao mesmo tempo, mas ok! Só não tentem fazer o mesmo em casa crianças! Assim que ela chegou, a batizei com esse nome por que minha Barbie favorita também se chamava Lia (tenho essa Barbie até hoje).


Costumo dizer que a Lia me escolheu. No começo da sua estadia com a minha família, ela era carinhosa com todos nós, isso é da personalidade dela. Mas, ela sempre queria ficar muito mais perto de mim. Então, eu a aceitei. Coloquei a cama, a comida e a água da Lia no meu quarto e a adotei oficialmente como minha bichinha de estimação mais do que de qualquer outra pessoa na casa. Abri meu QG para a Lia, meu quarto agora era o nosso refúgio.

Alguns meses depois que meu pai trouxe a Lia para a nossa casa, ela ficou doente. De um dia para o outro, e sem nenhuma explicação, ela começou a chorar e suas pernas traseiras tremiam. Minha mãe a levou no veterinário e descobrimos que ela estava com cinomose, e que o choro, era de dor. O veterinário explicou que não havia cura para a doença, ele aconselhou sacrificar. E apesar dessa sugestão horrível, porém, profissional do veterinário, eu sabia que minha mãe nunca tomaria essa decisão radical, sei que ela não se tornaria responsável pelo julgamento sobre a vida de um ser vivo.

Minha mãe sempre foi adepta a remédios caseiros, então, ela recorreu ao que conhecia para tentar ajudar a Lia. Em qualquer momento do dia, inclusive de madrugada, nós fazíamos massagens com óleos nas pernas traseiras da Lia, isso diminuía um pouco a sua dor, além disso, minha mãe dava a ela alguns chás conhecidos por suas propriedades relaxantes e anti-inflamatórias. Por incrível que pareça, a Lia foi melhorando aos poucos. Depois de alguns meses ela já não tinha nenhum tipo de comportamento que acusasse dor. Levamos a Lia novamente ao veterinário e ele disse que ela estava curada, a doença regrediu, e talvez nossos esforços em cuidar dela e reduzir seu sofrimento tenha ajudado na sua recuperação. Não sei exatamente como a cura aconteceu, já que a cinomose é uma doença viral, mas, acredito muito em Jeová Deus.


A uns três anos atrás, a Lia ainda tinha sequelas da cinomose, uma das suas pernas traseiras tremia sem parar, mesmo enquanto ela dormia. Mas, essa sequela virou apenas memória depois de alguns anos, a perna tremula hoje é normal e a Lia está mais saudável do que nunca.

A verdade é que a Lia faz parte da família, até porquê, depois que casei fiz questão de traze-la para morar comigo e o Fabrício. A Lia é minha companheira canina, ela é aquele serzinho peludo que me faz rir quando estou doente, que me ouve (mesmo que não me responda) e que está sempre pronta para me receber abanando o rabinho quando chego em casa.

Veja Também: Três Motivos Para Adotar Um Animal de Estimação


A história da Lia alerta sobre a importância da vacinação canina, a cinomose é uma doença altamente contagiosa e a taxa de mortalidade dela é de 85%. Ah... e gatos também podem ter cinomose! Amar seu bichinho deve te motivar a cuidar dele, lembre-se de que seu pet também é um ser com vida, que tem sim sentimentos e sente dor, assim como nós.

________________________________________________________________________________________

 veja todos os posts do Blogtober

20 comentários:

  1. Que linda a Lia! Ainda bem que vocês não tomaram nenhuma atitude radical e que todos os cuidados caseiros, a fé, foram suficientes para curar essa cachorrinha. Eu não conhecia essa doença, os cachorrinhos que tive nunca tiveram nada que eu lembre. Vou avisar conhecidas sobre a vacinação e compartilhar seu post, acho importante que pessoas como eu, que não conheciam tomem conhecimento dessa doença.

    Grande beijo, Fran.
    www.delirioscotidianos.com

    ResponderExcluir
  2. Eu amo essa cachorra... Costumo chama-la de velhinha mas tomara que ela dure muito tempo ainda. Ela é especial...

    ResponderExcluir
  3. Que coisa mais linda! Bicho é um negócio que mexe demais com a gente né? Eu vejo meus gatos e as vezes acho que vou explodir de amor, que não dou conta de gostar tanto assim daquelas coisinhas que só comem, dormem e fazem cocô hahaha.

    ResponderExcluir
  4. Oi Leslie!
    Que lindona ela! 😍 E que história! Tbm acredito q Deus a curou!
    Eu tenho 3 cachorros machos aqui em casa XD
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Leslie

    ahhhh, que amor!
    A Lia teve sorte em ser recebida numa casa tão amorosa quanto a sua!
    O amor literalmente curou a Lia!

    Muito linda a história dela!

    Bjooooooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Ela é muito linda, Leslie.
    Ainda bem que vocês não a sacrificaram. Eu acho um absurdo quando falam pra matar os bichinhos. Ninguém faz isso com os humanos porque temos que fazer isso com os animais que amamos?
    Bjus!

    galerafashion.com

    ResponderExcluir
  7. Que lindaaaa que ela é!
    E tenho certeza que ela sente o carinho de vocês por ela e retribui com o mesmo amor né?
    Beijooo
    Jake
    Blog Jake Badulake

    ResponderExcluir
  8. Que história mais linda <3
    Eu amo cachorros, tenho 3 e uma delas, a Belinha, teve um probleminha na coluna e, assim como a Lia, o veterinário aconselhou sacrificar, todo mundo daqui de casa negou e tentamos tratar em casa, bem, hoje a Belinha tem 10 anos e tá muito bem
    Fico feliz que vocês também tentaram, isso foi incrível <3 A Lia é muito fofinha e parece ser muito carinhosa pela foto
    Amei o post, um beijo enorme <3
    www.opsquerida.com.br/
    www.instagram.com/siteopsquerida/

    ResponderExcluir
  9. Seu pai é um super-herói, conseguiu pilotar a moto e segurar a Lia ♥
    Emocionante a história dela e fiquei feliz em saber que vocês nunca desistiram de ajuda-la. Vocês são ótimas pessoas ♥
    Aqui em casa tivemos o Scooby-Doo e o Chocolate por dez anos (Scooby morreu em 16 de outubro de 2015 por ataque do coração.. Era cardíaco como a gente.. e o Chocolate de depressão por causa do Scooby, embora o Choco sempre foi doentinho eu sempre cuidei dele) aí em abril de 2016 eu encontrei um bebezinho que era das ruas.. eu adotei o Baruc, meu filhinho.. É a alegria da casa rs As vacinas dele estão todas seriamente em dia, assim como era a do Scooby e a do Chocolito ♥♥

    It's Lizzie | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  10. Gente, mais que bichinha mais fofinha! Eu ameeeeei, ela é linda.
    Lá em casa a gente tem a Pipoca, que minha tia deu para minha avó assim que ela nasceu. O problema é que minha avó faleceu e minha outra tia que morava com ela queria dar a cachorra, mas no fim acabamos ficando. Recentemente ela teve filhotes e foi uma luta tadinha, não sabíamos lidar com a situação. Mas o veterinário disse que era bom porque ajudava a impedir de ter câncer de mama. Agora ela está no cio de novo e tem um cachorro que anda dormindo na porta de casa por causa do cheiro! Juro que quando eu abro a porta pra ir pro trabalho as 07h da manhã, aquele bendito cachorro tá lá. Nosso medo é ela acabar tendo filhote de novo porque não castramos-a ainda e ter filhotes agora ia ser impossível, foi difícil demais arranjar um lar pros outros.
    Ás vezes eu fico olhando pra ela e pensando quando ela for partir, e eu nem gosto de pensar nisso porque mesmo não gostando muito de cachorro, acabei me apegando demais a Pipoca, trato-a como uma sobrinha haha
    Beijo
    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Posso dizer uma coisa? Quero abraçar a Lia <3
    Que linda e guerreira ela é. Infelizmente essa doença é horrível, acabei perdendo um cachorrinho por conta da cinomose.
    O cachorro da minha prima, o Duque teve cinomose e a gente achou que ele ia acabar não sobrevivendo, mas graças à Deus, ele se curou e hoje só está com algumas sequelas, como não conseguir andar direito, ele tem muito desequilíbrio e por isso anda torto e às vezes cai.

    É mega importante vacinar nossos amiguinhos, nem que seja dividido em 10x no cartão.

    P.s: A Lia parece um pouco como meu cachorro, o Pipito. Não sei se já te falei isso.

    Beijos
    Boas de Papo
    Instagram Boas de Papo

    ResponderExcluir
  12. Que história mais linda da Lia amiga, eu fiz questão de chegar do estágio para ler com calma a história e que superação!
    Além de seu pai e você terem feito a atitude mais linda do mundo, que é adotar um animalzinho da rua. *--*
    Eu sempre que tenho a oportunidade faço essa atitude nobre.
    Fiquei comovida com a doença que a Lia teve, mas fiquei super feliz por ela estar curada, Deus é maravilhoso mesmo!
    Beijos. ♥
    Diário da Lady

    ResponderExcluir
  13. Que baby mais charmosa! Parabéns para o seu pai, pela ótima atitude!
    Graças a Deus deu tudo certo para ela!
    Beijos.
    http://vinteedoisdemaio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Que historia linda, amei.
    Quero muito um cachorro pra mim, mas no momento não terei tempo para dar todos os cuidados necessários que eles necessitam. Futuramente que sabe.
    Beijos

    www.glamour2.com

    ResponderExcluir
  15. Caramba, que post legaal!
    De verdade eu achei incrível a história da Lia e o propósito de você ter dividido conosco agora tornou tudo mais especial. Isso são coisas que realmente faz a diferença. Dizer que ama animais, todo mundo diz, mas dar atenção realmente a todos os cuidados necessários é primordial. Adorei saber.
    Sinto muita falta do meu cãozinho, espero poder ter outro logo.
    Beijo! sz


    www.ultimobiscoito.com

    ResponderExcluir
  16. Ai meu deuso, que fofura a Lia. Eu sou louca para ter um cachorrinho, acho que as vezes preciso de uma companhia de um animalzinho tipo um cachorrinho que é sempre tão amigável. Mas não posso ter aqui em casa porque eu moro em cima da casa de minha avó, e ela tem medo de cachorros, e o quintal fica bem na casa dela :( Mas fazer o que né. Sim é muito importante vacinar seu cachorrinho. Cinomose é uma doença tão ruim para seu cãozinho, assim como adulto também precisa tomar suas devidas vacinas né!
    Um beijo grande e muito GORDO
    www.thaissgalbiero.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. É muito linda e doce sua Lia <3
    Mas qual chás sua mãe deu a ela? É bom saber né? às vezes remédios caseiros são melhores que gastar rios de dinheiro em veterinários que nada resolvem, como foi com a minha. :(
    Perdi uma cachorrinha , a Bia, por parvus virose (tem muitos sintomas da cinomose), que ela contraiu na vacinação tbm. Algum cachorro devia já estar doente e como vários ficam ali na praça juntos né? não tem como saber...sofreu um bocado e nós tbm! :´( Depois de 27 anos, ainda lembro dela com o mesmo amor e carinho <3

    Bjs!


    etudovaidade.com

    ResponderExcluir
  18. A Lia é linda, assim como a história dela. Que cachorrinha mais fofa e que história de superação <3 Seu pai é um ser maravilhoso por ter salvado ela, e corajoso por ter levado de moto hehehe só muita fé mesmo pode curar um bichinho assim, ouço cinomose já me dá dor no coração. Adorei que tu compartilhou a história <3

    beijooo
    tipsnconfessions.blogspot.com

    ResponderExcluir



Feito com ♥ por Lariz Santana